Site Tools


samambaia

Samambaia

Nomes científicos e populares

Existem várias espécies de samambaia, a maioria têm efeitos semelhantes no organismo, mas é muito importante conhecer bem a planta que irá utilizar, pois a samambaia, quando mal administrada, pode ser fatal.

Eia algumas espécies:

Pteris aquilina, L. variedade caudata, L./ Polypodium lepidopteris / Dryopteris filix-mas. etc.

Também conhecidas como comambaia, calaguala, huayhuashi-shupa, samambaia guaçu, feto macho.

Informações Botânicas

É natural das zonas temperadas da Europa, Ásia, e Américas do Norte e do Sul, mas ocorre no mundo inteiro.

Pertence a família das Polypodiaceas e é um dos vegetais mais espalhados no Brasil, ocupando uma grande área de solo agreste da maioria dos seus Estados. Ela vegeta geralmente nos terrenos secos, inóspitos, cansados e estéreis; é reputada como uma verdadeira praga e de difícil extermínio. A presença da Samambaia indica a falência de elementos minerais do solo.

História

A samambaia tem sido usada na medicina tradicional para o tratamento de parasitas intestinais. O médico da antiguidade Paracelso, já reconhecia o valor da samambaia para tratar da dermatofitose. Na medicina chinesa, os extratos são usados para tratar o sangramento nasal recorrente, sangramento menstrual pesado e feridas. Os componentes da planta têm sido usados como vermífugos veterinários. Seu uso medicinal também é mundial, fazendo parte da Farmacopeia Popular da Europa, Medicina Tradicional Chinesa, Farmacopeia Homeopática, Tibetana, Ayurvédica, In-dígena e do Herbalismo Tradicional Brasileiro.

Princípios Ativos

Alcalóides, ácido lepidiptérico, ácido lepdoptânico, fitosteróis, gomas, óleos essenciais, resinas, salicilatos, samambaína, saponinas, substâncias albuminóides, substância gordurosa.

Indicações e Usos

Antiasmática, antinflamatória, anti-reumática, antitussígena, diaforética, diurética, expectorante, hepática, hipotensiva, peitoral, sudorífica, tônica, vermífuga.

Nutrientes

Toxicidade

Trombocitopenia, pessoas com distúrbios da coagulação e evidência de sangramento. Em diarreia crónica; Em trombocitopenia - seus salicilatos podem reduzir a adesividade plaquetária; Em pacientes com história de alergia à samambaia; em diabéticos e cardíacos, Evitar seu uso em pacientes com distúrbios da coagulação sanguínea.

Superdosagem: Há relatos de superdosagem em crianças com o uso de substâncias isoladas. Caso ocorra, além das medidas usuais para intoxicação, tratamento sintomático para vómito, cólicas e diarreia deverão ser instituídos e dieta zero.

Posologia

Adultos: 10 a 20ml de tintura divididos em 2 ou 3 doses diárias, diluídos em água; 2g de erva seca (1 colher de sopa para cada xícara de água) de raízes em decocção até 3 vezes ao dia, com intervalos menores que 12h; Crianças acima dos 6 anos: 1/3 da dose. Crianças: posologia por peso corporal: 0,4ml/Kg/dia com intervalos menores que 12h.

Interação medicamentosa: Por ser rica em salicilatos, potencializa a ação da aspirina e outros antiinflamatórios que bloqueiem a ação das prostaglandinas e dos antiadesivos-plaquetários.

Farmacologia

A atividade antiinflamatória é conferida pelos salicilatos. O efeito expectorante e fluidificante é devido aos óleos essenciais. Os fitosteróis conferem atividade estrogênica, anti-inflamatória, aumentam a produção e a fluidificação da bile. O í3-sitosterol além da atividade hormonal reduz o colesterol sérico e diminui o tamanho da próstata nas hiperplasias benignas. O efeito anti-helmíntico é devido aos ácidos orgânicos; O estrato aumenta a produção de bile e estimula a mucosa gastro-intestinal. Grandes doses dos extratos são potencialmente tóxicas, tendo por resultado a fraqueza muscular, coma, e cegueira provisória ou permanente; Os compostos químicos filicina e filmarona são vermífugos ativos, que são particularmente tóxicos aos platelmintos cestóides. Após a ingestão destes compostos, o parasita é expelido dentro de horas, porém um agente purgativo é tipicamente ingerido simultaneamente ao vermífugo para ajudar à expulsão; A oleoresina da samambaia paralisa o músculo voluntário intestinal e os músculos análogos dos cestodas, que então são prontamente eliminados pela ação do purgativo.

Dryopteris filix-mas.

Descrição: Também conhecido como samambaia, feto vivaz que atinge de 1 a 1,5 m de altura, suas folhas lanceoladas nascem diretamente do rizoma. Possue o caule fino, esverdeado, revestido de pêlos, com muitas folhas de tamanho variável.

Partes Utilizadas: Rizoma e a raiz.

Propriedades: Vermífuga, males do fígado e anti-reumático.

Indicações: O rizoma ou broto é muito usado para combater a tênia.

Principios Ativos: Filicilina.

Toxicologia: Desaconselhável para quem sofre de anemia, gastrice, úlcera duodenal ou cardiopatias.

Modo de usar: 5 gramas num copo de água fervente. O broto deve ser colhido quando ainda possui bastante suco e usado assim fresco em doses pequenas.

samambaia.txt · Last modified: 2019/05/25 19:08 (external edit)