II Vivência Rural de Arte e Molecagem

cartaz arte e molecagem

QueridXs,

Depois de toda a alegria e experiências compartilhadas na primeira vivência, sentimos como é importante e divertido reunir pessoas interessadas em educação ativa.

Por isso, entre os dias 1 a 3 de maio nossas casas estarão novamente abertas para a II Vivência Rural de Arte e Molecagem!

Cultivando a curiosidade natural das crianças com atividades lúdicas e variadas, estimulamos que aprendam espontaneamente a fazer o que mais gostam e desenvolvam suas habilidades.

Através das brincadeiras, incentivamos o companheirismo no lugar da competitividade, valorizamos a vida próxima da natureza, a alimentação consciente e a autonomia.

Praticamos a educação livre no dia a dia e desejamos receber crianças de todas as idades pra compartilhar experiências de vida, caminhar em meio à mata atlântica e fazer muitas aventuras!

Nas nossas casas e arredores teremos:

  • horta
  • oficinas de arte
  • oficinas de culinária vegetariana
  • brincadeiras na piscina natural
  • círculos de troca de saberes
  • mata atlântica
  • banho de rio
  • acro-yoga
  • capoeira
  • fogueira
  • música

e muitas descobertas!

*As atividades propostas podem variar de acordo com a faixa etária,
o tempo e o interesse das crianças presentes*

 

Oferecemos hospedagem (casa ou camping), alimentação vegetariana completa e a experiência de viver em comunidade, pelo valor mínimo sugerido de R$60 a diária de adultos e R$30 a das crianças. Também há boas pousadas na região.

Pelas oficinas, atividades e transporte, a colaboração é espontânea.

Quem quiser muito participar e acha que os valores são inacessíveis, pode propor uma troca por serviços ou oficina. O excedente será revertido para o Projeto Viveiros de educação livre.

Inscrições até 25 de abril

* Vagas limitadas! *

Mais informações em:

contato@vagalumis.eco.br
22 – 99229 5433 (Isis ou Marco)
22 – 99278 3760 (Lucas ou Luar)

 

Carinhosamente,
Famílias Vagalumis e Gurizada
Macaé de Cima, Nova Friburgo/ RJ

 

^^

Vivência Rural de Arte e Molecagem para adultos e crianças

Cartaz

QueridXs,

Entre os dias 3 a 5 de abril nossas casas estar‹ão abertas pra uma Vivência Rural de Arte e Molecagem, com o foco em prá‡ticas de educa‹ção ativa!

Cultivando a curiosidade natural das crianças com atividades lúœdicas e variadas, estimulamos que aprendam espontaneamente a fazer o que mais gostam e desenvolvam suas habilidades. AtravŽés das brincadeiras incentivamos o companheirismo, no lugar da competitividade, valorizamos a vida pró—xima da natureza, a alimenta‹ção consciente e a autonomia.

Praticamos a educação livre no dia-a-dia e desejamos receber crianças de todas as idades pra compartilhar experiências de vida. Caminhar em meio àˆ mata atlâ‰ntica, enfeitada de flores de quaresmeira, fazer aventura, piquenique, muita descoberta e banho de rio!

Nas nossas casas e sí’tios teremos:

  • piquenique
  • aventuras
  • banho de rio
  • oficinas
  • rodas de conversa
  • mata atlântica
  • acro-yoga
  • capoeira
  • fogueira
  • música

Oferecemos hospedagem (casa ou camping), alimenta‹ção vegetariana completa e a experiência de viver em comunidade, pelo valor sugerido de R$50-100 a dài‡ria de adultos e R$25-50 a de crianças. TambéŽm hᇠboas pousadas na regi‹ão.

Pra cobrir os gastos do encontro, que incluem lanches, aluguel de caminhonete, s’ítio, material de oficinas etc, a colabora‹ção éŽ espont‰ânea.

Quem quiser muito participar e acha que os valores s‹o inacessí’veis, pode propor uma troca por serviços ou oficina. O excedente ser‡á revertido para o Projeto Viveiros de educaç㍋o livre.
Inscrições até 31 de março
vagas limitadas!

Mais informaçõ›es em:

  • contato@vagalumis.eco.br
  • 22 – 99278 3760 (Lucas ou Luar)
  • 22 – 99229 5433 (Isis ou Marco)

Carinhosamente,
Famí’lias Vagalumis e Gurizada
MacaéŽ de Cima, Nova Friburgo/ RJ

Oficina de Software Livre

Cartaz da Oficina -- detalhes abaixo

A oficina será realizada no domingo (15/12), às 15h, na Casa Centella, em Croatã.

As atividades principais serão:

  • Distribuição de software — desenho, escritório, players, edição de foto…
  • Introdução às ferramentas Inkscape (desenho vetorial) e LibreOffice (suíte de escritório).

Pra participar, confirme presença pelo e-mails: contato@vagalumis.eco.br.

No dia, traga seu computador e um lanche saudável pra compartilhar — vegetariano, sem produtos industrializados ou substâncias químicas, e de preferência sem latícinios e ovos de mercado.

Apresentação de Nico – Auroville e Casas na Árvore

Ontem, dia 29 de outubro, tivemos uma apresentação do Nico, sobre sua experiência em Auroville e sobre uma casa na árvore que construiu no Vale do Capão, na Bahia.

14 pessoas escreveram no livro de assinaturas da apresentação, que aconteceu no Ficabem, o restaurante vegetariano e espaço cultural da Benfica.

Confira a galeria de fotos da apresentação alguns slides no final do post.

Auroville

Auroville é uma imensa cidade experimental localizada no sul da Índia. Fundada em 1968, seu propósito inicial é “concretizar a união humana”.

A ideia de Auroville foi concebida por Sri Aurobindo — um guru indiano — e Mirra Alfassa — conhecida como “The Mother”, e planejada por Roger Anger, um arquiteto francês. Foi feito um chamado de voluntários e a cidade foi construída colaborativamente.

Nico morou lá de 2004 a 2011, em diversas partes da cidade — que na verdade é fragmentada em dezenas de regiões interconectadas por trilhas e estradas.

Ele nos contou a história do planejamento e da construção inicial da cidade, os ideais iniciais, a Carta de Auroville, o controverso Matrimandir, um edifício em forma de esfera, folheado a ouro, e que guarda dentro de si uma bola de cristal de 70cm de diâmetro.

Nos contou sobre os aspectos bons e não tão bons assim de Auroville — a ausência de polícia e religião organizada, a “moeda social” virtual que é a moeda corrente de toda Auroville, a crescente desigualdade entre os moradores, a quase ausência de crimes, o fato de que muitas pessoas vêm de fora pra trabalhar em casas e estabelecimentos da cidade, etc.

Nico viu os valores ecológicos de Auroville se desvirtuarem com o tempo: abundância de carros movidos a combustível, construção de casas e prédios de luxo utilizando arquitetura e matéria-prima “tradicionais”, destruição de florestas para construção de estradas, etc.

Junto com outros jovens de Auroville, organizou e participou de diversos protestos pafícicos e hacks em oposição a essa situação.

Nico nos contou sobre uma estrada em particular — a que passaria no meio do Parque Mahakali, onde hoje se encontra o Centro de Jovens. Ela serviria para atender um grande prédio recém-construído nas proximidades.

Ele bloqueou a construção da estrada de diversas maneiras — com monumentos de pedra, plantando árvores cuja derrubada é proibida por lei, literalmente enfiando um carro no meio do caminho…

Também colaborou para a construção e decoração de uma trilha alternativa por dentro do parque — uma que comportasse bicicletas e animais, mas não carros.

Centro de Jovens – Youth Centre

Entrada do Centro de Jovens – Crédito: Auroville Wiki

Nico atuou como coordenador do Centro de Jovens (Youth Centre) de Auroville, uma minicidade fundada e mantida por jovens.

Segundo a Auroville Wiki, o Centro de Jovens — ou Peaceful City — é “um lugar onde jovens de todas as idades e origens podem se reunir coletiva e construtivamente pra relaxar, trabalhar, aprender e brincar em um ambiente seguro e voltado à natureza, longe das limitações da família, escola, e a sociedade estruturada em geral.”

Ele nos contou sobre sua experiência nesse ambiente de convivência coletiva, que era inicialmente uma resposta à burocracia e aos conflitos cada vez maiores em Auroville. Nesse contexto, o Centro de Jovens surgiu como um espaço aberto e experimental.

Casas na árvore

A casa que Nico construiu no Vale do Capão
Créditos: Nico

Ao longo dos anos, várias casas na árvore foram construídas no Centro de Jovens colaborativamente.

Em 2011, Nico veio para o Brasil, e com o conhecimento adquirido em Auroville construiu profissionalmente uma casa na árvore no Vale do Capão, Bahia.

Arquiteto de formação, Nico se distanciou da arquitetura tradicional, com concreto e tijolos, tendo interesse por maneiras mais ecológicas de construção — baseado nas características e necessidades do local.

Ele construiu a casa durante um período intermitente de cerca de 9 meses — no início sozinho, no final com a ajuda de voluntários e um amigo também ex-morador do Centro de Jovens.

A casa possui três andares, banheiro, caixa d’água e painel solar — que alimenta com energia um laptop, a bomba de água, luzes e alguns outros aparelhos.

Nico construiu a casa respeitando a árvore — nenhum prego foi enfiado nela, apenas na madeira de construção.

Ele nos contou, através de fotos, o processo de construção e as lições aprendidas — fazer casas mais leves, evitar materiais retilínios, ângulos retos e medidas precisas, usar as melhores ferramentas possíveis, ter alguém que saiba identificar árvores, entre outras.

 

 

Galeria de Fotos

Créditos das imagens:

  • Fotos da apresentação: Coletivo Vagalumis
  • Slides da apresentação: Nico
  • Foto da entrada do Centro de Jovens: Auroville Wiki