Viveiro – 11 de janeiro de 2013

Lua Nova

Lulus cuidando de Amora, João, Maitê e Miris

=)

Hoje o dia tava chuvoso, brincamos dentro de casa. A primeira a chegar foi a Amora, que veio na noite de ontem e dormiu do nosso ladinho. Aliás, era a primeira vez dela com a gente no viveiro e foi bastante tranquilo, apesar de sentirmos que de três pra quatro bebês aumentou bastante a dificuldade, por exigirem total atenção!

O João chegou na hora do néctar de carambola e da salada de frutas, mas já tinha tomado seu lanche e não quis nada. Parecia mais preocupado em não deixar mamãe Julie escapar por nenhuma porta ou janela, mas ela lhe explicou calmamente que iria deixá-lo por alguns minutos e voltaria pra buscá-lo mais tarde. Pra alegria de todos, o chororô não durou mais do que 2 minutos: ele logo encontrou os livros, as peças de encaixar e ficou feliz pra sempre =)

Depois chegou a Maitê e também passou o dia brincando numa boa. Os livros foram os preferidos da molecada. Ler e contar histórias foi uma das poucas atividades que conseguiu cativar o interesse dos quatro ao mesmo tempo! As outras foram assistir um trecho de Ponyo, a peixe que vira menina e, que bom!, o amorço.

Pusemos a mesa baixinha no centro da sala e uma almofada de cada lado, onde os pequenos se sentaram. Cada qual com a sua colher, cutucando os três pratinhos: um de abobrinha com carambola e salsinha, um de feijão fradinho e um de pão de aipim.

Todos comeram bem, cada um a seu gosto: Amora abriu o maior bocão pra tudo; João e Mimi preferiram os feijões e o pão, mas aceitaram também um pouco de abobrinha; Tetê comeu um teco de cada, mas preferiu as carambolas e o pão.

Depois tentamos uma soneca no quato fofo. Fechamos as janelas e entoamos uma música de ninar inventada na hora, mas parece que o efeito surtiu contrário, porque a Tetê ficou animadona e em vez de cochilar, ela levantou e começou a dançar! Todos seguiram o exemplo e os Lulus desistiram da empreitada. Voltamos aos livros e às historinhas inventadas.

Também brincamos de pinhóim, cavalinho, bolinhas de açaí, experimentamos chapéus, tocamos teclado, fizemos teatrinho de bonecos, até a Tetê se assustar com a Bruxa Cutucadora de Orelhas e começar a chorar e chamar “mamaaaẽ”! Achamos que era o soninho amolecendo tudo e ela foi cochilar com o Lu na varanda, quando papai Biel e mamãe Laura chegaram

Um pouco depois, a Amora e o Lu estavam lendo um livro, quando a cabecinha dela pesou e os olhos fecharam, fecharam… Depois foi o João, que adormeceu no colo da Lu, e finalmente a Miris, que foi passear com o Lu e voltou sonhando.

E nó aproveitamos pra tirar também uma merecida soneca

=)

De Manhã: Néctar de carambolas do quintal; salada de frutas orgânicas (mamão, laranja e carambolas do quintal, bananas do arco-íris); tapioca.

Amorço: Pão de aipim do Itamar com farinha integral, manjericão do canteiro, amendoim e linhaça; torta de abobrinha orgânica com flocos de milho, alho, gergelim torrado e salsinha; feijão fradinho com louro e pimentão da Nilta.

Lanchinho: Bananilta; carambola, mamão; pão de aipim.

Receitas de hoje

Néctar de carambolas orgânicas: Junte as carambolas debaixo de uma caramboleira, limpe as partes que têm algum bichinho, pique-as, coloque numa leiteira e esmague bem todos pedaços, pra soltarem bem o sumo. Depois passe num voal, aperte bastante, pra extrair todo o néctar.

Tapioca: Junte uma medida de água pra o dobro de polvilho doce ou azedo. Acrescente sal marinho a gosto e misture bem. Quando estiver homogêneo, sabe-se que está no ponto certo se, pressionando um punhado da massa nas mãos, ela vira uma bola que não esfarela muita fácil e nem derrete. Se esfarelar muito fácil acrescente um pouco de água, se derreter, falta um pouco de polvilho.

Passe a massa numa peneira de furos não muito miúdos, direto na frigideira (para os mais experientes), ou num pote onde depois possa retirar suavemente e espalhar na frigideira uma camada mais ou menos da altura de um dedo mínimo. Espere soltar do fundo e corar levemente em baixo, vire com o auxílio de uma espátula, core o outro lado e separe em um lugar em que a tapioca fique de pé, pois se abafar o fundo ela vai ficar colenta, em vez de crocante. Recehie com o que mais gostar!

Torta de abobrinha orgânica: Conheça alguém que planta abobrinhas e ofereça algo em troca de uma. Rale a abobrinha. Misture com umas folhas de manjericão fresco, uns três dentes de alho amassados, farinha de milho em flocos até formar uma massa mais consistente, sal marinho a gosto.

Unte um tabuleiro com bastante azeite. Espalhe a massa no tabuleiro, cubra com fios de azeite e gergelim. Leve ao forno médio/alto por aproximadamente 20-30 min.

Pão de aipim do Itamar: Vá no Itamar e peça a ele dois pés de aipim. Cozinhe uma panela cheia, coma o quanto quiser, mas lembre-se de separar ½ kg de aipim e ½ litro da água de cozimento pro pão. Amasse os aipins, tirando o fio do meio. Junte ½ kg de farinha de trigo integral, 3 colheres de sopa de farinha de amendoim, 4 colheres rasas de sopa de linhaça. Misture tudo.

Em um copo, dilua 50g de fermento fresco na água morna de cozimento do aipim. Misture na massa. Amasse bastante e acrescente mais um copo da água do aipim. Acrescente sal marinho e azeite a gosto. Continue amassando, abra a massa, bata com força, soque, misture de novo, até parar de colar nas mãos. Se a massa estiver muito dura, coloque mais água de aipim. Se estiver muito mole, coloque mais farinha.

Depois de muito bater e amassar, unte um tabuleiro com algum óleo e farinha, modele a massa como preferir, cubra com um pano e deixe descansar em local aquecido por, pelo menos, uns 40 min. Depois aqueça o forno alto, coloque o pão e depois de 30 min levante a beiradinha com um garfo. Se estiver dourado por baixo, está pronto!

Uma ideia sobre “Viveiro – 11 de janeiro de 2013

  1. super adorei ler o relato, ver as fotinhos e ficar por dentro das receitas dos quituteiros benfiquenses. saudades de vcs, amores <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *